Pouso

Pousei por livre vontade
na palma da sua mão
E agora você decide
se é liberdade ou prisão.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Why this world, Clarice?

Bem que Drummond disse: "Mais tarde, um dia... saberemos amar Clarice." Verdade absoluta. A gente lê Clarice par tentar se entender, entender o outro, se explicar, explicar aos outros. Por que, Clarice, por que este mundo?
Clarice não responde, Clarice não sabe, Clarice procura. Ela também quer saber daquele mundo que ela bem que tentou tolerar, bem que tentou entender, bem que tentou explicar. Pois é, Clarice, perto do coração selvagem ninguém vive ileso. Por que, Clarice? Por que esse coração?
Primeiro sofrer, depois escrever. Eu sei, você não é triste assim... só está cansada. E nós também estamos. Como na história de Mineirinho, somos o décimo terceiro tiro. Nós estamos cansados de mendigar como a menina de Felicidade Clandestina, temos batalhado muito para conseguir o nosso "pelo tempo que quiser". Também soluçamos, com a cabeça em chamas, como a menina ruiva em "Tentação". Porque os nossos cães basset também viram as costas e se vão, sem olhar para trás. E a perda é dura. Não adianta, perdas são insuperáveis. A gente sobrevive, mas a vida muda.

E nós... nós, se não me falha a memória, morreremos.
Why? Why this world, Clarice?

"Tem períodos, hiatos, em que a vida fica intolerável."


Nenhum comentário:

Postar um comentário